quarta-feira, 15 de abril de 2020

3am.

Dizem que a madrugada pertence aos apaixonados, mas aqui vos escrevo para refletir.

Um horário improvável aos ordinários que levam o cotidiano na mesmice. Vejam bem, meus caros, não me levem a mal, é que eu sou da madrugada, é ela a quem eu pertenço e descubro os melhores momentos. Paixão antiga, sabem? Daquelas que já me levaram ao fundo do poço e me trouxeram de volta como se nada tivesse acontecido. Pergunto-me por que a sociedade não abraça mais a madrugada? Ela tem tanto a nos dizer. Quero saber das cores escuras, do silêncio da alma, da poesia tão delicada de quem não tem nada a perder.

Ah, madrugada, por que tão bela? Tão solitária e tão acolhedora! Tão contraditória inconstante que faz-me identificar os mínimos detalhes da respiração ansiosa sob a insônia irrelevante.

3 horas da manhã é um horário lindo.